Pais, parem de buscar emprego para o seu filho

Pais superprotetores

Pais, vocês costumam proteger demais o seu filho ou confia nele para que se desenvolva por conta própria?

Ao longo do desenvolvimento do projeto da Guarda Mirim de Itaquá, onde os jovens são instruídos e preparados para o mercado de trabalho é visível um determinado tipo de comportamento por parte dos pais de alguns desses jovens que dificultam o desenvolvimento profissional dos mesmos.

É natural que ocorra uma proteção forte ao filho durante a infância, mas, a medida que o filho cresce essa proteção deve diminuir para o bem do próprio jovem.

É muito importante a participação dos pais na educação e ensino dos filhos, discutindo com ele os temas das aulas, olhando o caderno, acompanhando as notas e o desenvolvimento dele, no entanto os pais não devem fazer pelos filhos o que eles mesmos devem fazer por si.

Um exemplo é a busca por emprego, o jovem por volta dos catorze anos precisa começar a preparar-se para obter maior autonomia dos pais, pois quer buscar seus objetivos, comprar seus objetos de desejo, viajar e nem sempre os pais terão condição financeira de dar suporte e nem que pudessem, deveriam fazê-lo. O jovem deve receber muitos nãos para amadurecer, precisa aprender a lidar com a frustração diária de bater com a cara na porta buscando uma oportunidade de trabalho, as frustrações amadurecem e quando os pais saem cadastrando os filhos para arrumar emprego, indo até as empresas não acontece o amadurecimento.

É comum ainda pais enviando mensagens agressivas a instituições de preparo ao primeiro emprego e projetos similares como se estes projetos tivessem alguma obrigação de dar-lhes emprego a seus filhos. A vida não é assim.

Um filho recém saído do colégio tem pouco valor ao mercado, então é natural que receba pouco e trabalhe muito, mas, esse primeiro passo é necessário para que ele adquira experiência e habilidades que o tornarão valiosos ao mercado. É o primeiro passo.

Só quem é pai ou mãe sabe o quanto é difícil não proteger um filho, mas, é necessário para que este se fortaleça e possa se desenvolver sozinho, mas, vale o esforço.

Pais, acompanhem seus filhos, deem apoio, escute seus desabafos, comemore com eles suas conquistas, mas, a liberdade para que ele possa se frustrar é de extrema importância para seu crescimento pessoal e profissional. Sair da zona de conforto é fundamental.

Eduardo Ribeiro
Eduardo Ribeiro é professor na Gigante Escola em Itaquaquecetuba, atua na área de cursos profissionalizantes desde 2009. É bacharel em Ciência da Computação e pós-graduando em Direito Público, é fã de tecnologia, educação e política. É pré-candidato a vereador em Itaquaquecetuba.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: